4rever!


 

Antes que perguntem, eu afirmo, realmente abandonei meu posto de escritor, não me sinto mais apto a usar das minhas palavras para montar textos orgulhosos de grande dimensão e profundidade, que a olhos de leigos, tomam proporções insignificantes. Quando recebi a proposta de participar desse Blog, percebi uma oportunidade, queria usar dessa ferramenta para escrever meus sentimentos mais escondidos, algo que guardo a sete chaves no labirinto da minha mente.  Esforcei-me ao máximo para tentar suprir minha carência, meus desejos famigerados pelo uso das palavras.

Mas atualmente esses esforços já não brotam mais de mim, nunca a palavra me casou tanta estranheza como agora. Ela tem sido duríssima comigo. E tão impassível, arrogante, secreta, intransitiva, concerne apenas a si mesma. Algo que extrapola o limite da minha imaginação, por isso as uso pela ultima vez, quero usar-las para demonstrar o meu carinho por uma amizade, e o quanto sou grato em ter-la como fonte de abrigo para todos os momentos.

Neste momento sinto-me imponente diante da palavra, sinto-a como desabrigo, desconsolo. A Palavra que procuro para escrever esse gesto de carinho, não as encontro. Talvez seja devido a minha relutância em entender a vida ou quem sabe a minha arrogância e nervosismo de me expor ao ridículo, nunca fiz algo do tipo. Vocês acham que estou certo? Garantir elogios a um amigo? Acredito que estou certo, sim! Não sei qual será sua reação quando vier a ler isso que vos escrevo, mas tenho certeza que definitivamente ele perceberá sua importância em meus atos e palavras.

Assim penso como é possível acreditar que ele se tornou meu amigo? É de uma grande caduquice, pois não sei ser amigo, mas mesmo assim ele soube lidar com minha loucura e minhas brincadeiras sem precisar me “dispensar” porque amigos sabem quando se tornam amigos, pois compartilham momentos. Dão Força. Estão sempre ao nosso lado. Seja nas conquistas ou nas derrotas, nas horas boas e nas difíceis, também sei que minhas emoções, reações, atitudes são pouco visíveis, mostrada aos poucos, paulatinamente, mas estou tentando, me fortalecendo, ele esta me ajudando a me entender por completo. Sua amizade é incondicional, amigo de todos os momentos, todas as horas, até nos pensamentos, porém, as coisas fluem, são passageiras, ou quem sabe, eternas (momentos) sei que devemos sempre encontrar um caminho, complicado que seja, ou um mar de rosas, simples ou complexo, devemos trilhar, contudo, sua amizade permanece, é imensurável, possui um grande coração ao contrario de mim, sou tão frágil, sentimental, vá entender. Além, é claro, ele possui um intelecto universal, grandes teorias, outras muito estranhas, mais isso o define como uma pessoa super interessante, cheia de vida, aglomerada de virtudes, acho que seja por isso que o admiro muito.

E assim fazem 4 meses que nos conhecemos, sei disso porque gosto de me entender por números e datas, faz parte dos meus vícios. 4, número par, de proporções mínimas, mais de conjunto feroz, que ao se dividir torna-se 2, dupla, parceria, e assim surgiu – Dois Reais – talvez uma forma singela de tentar por em prática o nosso conhecimento ou quem sabe extrapolar as barreiras da comunicação, uma proximidade entre vidas, pensamentos e cotidianos tão diferentes, seja o dele ou o meu, contudo quero que esses 4 meses se torne 8, ou melhor, 16, que não tenha limites de duração, quero “que seja eterno enquanto dure” usando palavras de Vinicius, palavras que possuem astúcias, luminosidade.

Será que está bom? Vocês conseguem perceber a sinceridade em minhas palavras? E você, meu amigo, entende o que digo? Há tanto o que falar, nesses últimos dias tenho pelejado essas palavras e assim insisti a destecê-la dos floramentos e torná-la substancia, essência concreta, com a semeadura da vida real, palpável e consequentemente, acredito piamente que realizei meu ultimo desejo, vê-las se tornar algo considerável e digno de uma razão para ter-las escrito. Elas estão sendo escritas para você.

O que me resta agora fazer, dizer? Estou lisonjeado em ter participado de algo tão legal junto a esse amigo, mais essa curta caminhada por aqui chega ao fim, como falei não tenho mais a vontade de escrever, o desejo de mostrar através das palavras o que sinto e almejo, agora resta apenas um adeus para aqueles que aqui passam, e para meu amigo apenas um OBRIGADO (por enquanto). Que possamos, no decorrer da vida, participar de momentos tipo este, momentos compartilhados, é assim que desejo nossa amizade.

 

RPH A.

Anúncios