Audácia


Há pouco tempo escrevi uma passagem sobre um assunto abordado por mim em uma das minhas conversas com certo alguém, leva o título de “Uma escola de pintura” (uma narrativa que retirei de um livro e tomei como exemplo), por favor, se você não leu, aproveite, pois ela explica quase por total o que vos irei dizer.

Nesses últimos dias venho reconsiderando todas as formas de mudanças plausíveis para a atual fase que participo, transito. Comentei ao final do post esse mesmo pensamento, que ao final desse dia, pretendo transformar em real, portanto quero compartilhar novamente dessa idéia:

“… estou repintando minha vida, remodelando meus conceitos e estruturando uma nova pintura, que baseada na anterior, é construída com muito amor, carinho e devoção (paixão). Tenho uma sede de viver, gosto da minha vida, e sempre estou pronto para repintá-la quando perceber essa necessidade. Portanto vou galgar uma nova rotina, um novo rumo, um novo tempo, uma nova vida!”

Porém, tomei como equivoco um pensamento errôneo, pra que pensar em amor? Carinho? Devoção? Infelizmente essa não é mais a minha realidade, se pensa que estou mentindo, que não sou capaz de tanto, se engana. Se não me querem do meu antigo jeito, vou procurar ser aquilo que querem, logicamente. Se NÃO aceitam uma pessoa sentimental, porque ainda insistir com ela? Logo quero compartilhar de um novo pensamento, que me foi concebido nesse final de semana, é um pouco radical ou não, talvez! Mas vale pela AUDÁCIA de quem escreveu. Desculpa-me por não lhe pedir autorização para colocar seu texto em meus devaneios, mais também vale por minha ousadia em fazer-lo.

/EGOíSMO./ sm. Amor excessivo ao bem próprio, sem consideração aos interesses alheios.

Amar a si próprio acima de todas as outras coisas, esse é meu lema. Não vejo nenhum negativismo nisso, acho que sua sobrevivência e existência dependem de você, se você for apenas considerar os interesses alheios, o que seria de si mesmo? Bom, embora consideramos o interesses alheios, acho impossível não fazer isso, acredito que apenas o consideramos porque temos interesse em considerá-los, logo, estamos considerando nossos próprios interesses. Como disse um sábio amigo que hoje compreendi: “Eu faço algo por mim, e não pelos outros, mas se isso for ajudar os outros, é apenas uma conseqüência.” Primeira vez que ouvi isso fiquei pasmo, me assustei, hoje, assino embaixo. O que seria excesso de Amor próprio? Como definir excessos? Ainda
mais de sentimento. Se amar alguém em excesso significa sacrificar a própria vida pela pessoa, amarmo-nos em excesso significa sacrificar a própria vida por nós mesmos? Que constatação mais bizarra e impossível de se fazer. Amo-me pra caramba, mas isso não interfere na vida dos outros. Assim como amar outra pessoa pra caramba você não estaria fazendo mal a ninguém (teoricamente). Então o que há de errado no amor excessivo ao bem próprio?

/CONTRADIçãO. /sf. incoerência entre o que se diz e o que se disse, entre palavras e ações;desacordo.

Sou completamente incoerente? Bom, eu diria que em partes. Muitos acham que ser contraditório é algo ruim. Aprendi na vida que é sempre bom rever seus conceitos. Ora você vai se achar coberto de razão, ora você vai achar que esteve completamente errado esse tempo todo. E o que há de errado nisso? É algo natural e super coerente. rs! A verdade é que percebi que observar as coisas de diversos pontos de vista acaba desenvolvendo diversas idéias diferentes sobre o mesmo acontecimento, ocorrendo aí, algumas divergências. Mas conseguir enxergar diversos pontos de vista de uma mesma situação não é considerado uma dádiva? Então porque ser contraditório seria algo ruim? Antigamente ainda conseguia diferenciar meu ponto de vista dos demais que eu observava. Hoje em dia, todos eles são meus. – Nasce a contradição. Talvez você pense que isso seja um sinal de instabilidade, eu considero flexibilidade. – Outra dádiva.

/AMBIçãO./ sf. Desejo veemente de alcançar os bens materiais ou o que satisfaz o amor-próprio. (riqueza, glória, etc.)

Um belo link com Egoísmo em “amor-próprio”. Todos não berram bem alto a necessidade de amar a si mesmo? Isso não é a coisa mais aclamada nos livros de auto-ajuda? Não dizem que é necessário primeiro amar a si mesmo para conseguir amar aos outros? O que há de errado em satisfazer seu amor-próprio? Achei que a definição do dicionário está um pouco faltosa. Então cito mais um sábio amigo: “Sou ambicioso, lembrando que ambição é diferente de ganância.”

/[Ambição x Ganância] : /segundo me disseram, Ambição é desejar algo que será sua motivação (e ser motivado é positivo). Ganância e usar-se de métodos não éticos para alcançar seus objetivos. Do dicionário /GANâNCIA //sf. sede ou ambição de ganho./”


Se esse é o sistema natural de seleção preconcebida de uma personalidade ao rigor do século XXI, que seja então, se me transformaram nisso, foi por um bom motivo, se esse é o desejo de todos, que sigamos em frente, se fomenta no seu mais intimo infinito essa dura realidade, irei seguir sem nem pestanejar.

De ontem para hoje, a vida mudou, se essas palavras soam de forma irônica, problema de quem acha! Afinal a vida é minha, de mais ninguém, quero aproveitar para agradecer quem mais desejou e acelerou esse processo, espero que não se arrependas. Até ontem tudo que citei antes aqui, pra mim era balela, mas agora acredito ser a mais pura verdade, se o objetivo é afastar, em vez de aproximar, que se torne real a sua vontade.

RPH A. Dessa vez finalizo rindo!

Anúncios