O tempo


 

Às vezes vivo a me perguntar o porquê de tantos comentários sobre o tempo, me questiono muito o motivo deles e começo a acreditar que isso é apenas calúnia, facetas e desconversas, porque é difícil acreditar que o tempo possui virtudes, o tempo é um desencadeador de problemas diversos, é a força que nos envelhece, que nos entristece, que nos mata, que nos leva embora, que nos distância. Acreditar que esse mesmo tempo possui as respostas para nossos problemas é pensar nas forças dos mitos, na beleza da utopia. O tempo apenas mascara verdades que não querem ser ditas, que são subjugadas e escanteadas no fim do primeiro tempo, mas poucos se lembram ou se recordam, assim como você, que sempre existe um segundo tempo, uma segunda rodada da partida, um novo lançamento de dados, uma nova oportunidade de se reaver problemas, pois, eles sempre se renovam e nos fazem perder a beleza de ser amar, de se entregar, de viver uma vida a dois.

Vale lembrar que o tempo é um radar que destrói emoções, ele sempre insiste em mostrar o contrário de cada emoção, pois o passado o presente e o futuro se intercalam em pensamentos e atrapalham nosso julgamento, sempre desejamos algo, sabe quando a gente na pressa de encontrar algo ou alguém, uma resposta qualquer a fatos que não conhecemos, não conseguimos ver? Essa é a realidade do tempo, em sua eterna ciranda que mata qualquer emoção.

O tempo, em certos momentos, ofusca a relação entre pessoas, assim como a nossa. O desejo antes visto como fonte de valor, amor intenso, amizade, companheirismo, se perde completamente por falta de respostas que não se encontram por parte das pessoas, pois, assim como o tempo elas sempre vivem na espera de algo que nunca vem. Quantas vezes na vida menosprezamos as pessoas porque consideramos o agora, o especifico daquele momento e não damos a oportunidade de encarar a realidade da forma como deve ser encarada. Depositar justificativas inapropriadas no tempo mostra a falta de compromisso que nós temos como indivíduos. É tão doído quando nos percebem e somos visto apenas no presente, quando as pessoas olham para gente e só enxergam aquilo que temos naquela ocasião ou pior fingem que nada aconteceu e menosprezam qualquer interesse em justificativas tolas e no final resulta na perda total de afinidade, acaba-se perdendo o contato por erros estúpidos, por julgamentos atropelados, por falta de comprovantes e desprezamos com isso todo um passado, toda uma historia, grandes momentos de felicidades e principalmente um futuro juntos por pura pirraça do tempo e na crença que nele podemos confiar.

Sempre dizem que o tempo é incerto e concordo plenamente dessa afirmação e é nessa incerteza que vivo no momento, aquilo que sentia, já não sinto mais, aquilo que me prendia a qualquer forma de ligação, já não me prende mais, são nessas incertezas que me configuram como sendo um realista da vida, do que adianta seguir em frente nessa ladainha sem sentido? Não vale à pena ficar preso no tempo, ninguém mais liga para nós, muito menos o tempo, ele pouco se importa, é crendice acreditar que com ele tudo se resolve, é tudo bobagens. Precisamos criar valores, não podemos desapreciar nossas vidas com sentimentos vãs.

O tempo apenas nos possibilita ver a realidade dos fatos, nos ensina que nada acontece por acaso, mas que chega determinado momento que precisamos seguir em frente na busca de novos projetos de vida, de uma nova vida “real”. Talvez em nossas vidas tenhamos que abdicar de certas paixões em favor do tempo, o nosso futuro não depende mais delas, deixou de ser carência para ser justificativa de ausência, de perdas, de até nunca mais, foi bom o quanto durou. Vivemos tudo o que poderia ter sido vivido e agora o tempo nos obriga a entender que não vale prosseguir nessa jornada.

Agora te questiono, será que esta sendo recompensador viver assim? Esperando que o tempo mostre a solução para tudo? Viver a base do futuro? Desejando que esse futuro seja belo, seja melhor? O tempo não espera, então pra que insistir nessa longa espera sem motivo e sem razão? Não acreditas que pode ser uma espera dolorosa, sem compaixão? Como podemos esperar por algo que nem sabemos como será? Como podemos garantir a nossa sobrevivência? Apenas pensando positivamente e tendo fé? Como acreditar nesses fatos tão distantes da realidade?

Não tem como viver assim, não existe soluções, pra que viver acreditando nisso? Considero devaneio sem sentido. Enfim, o tempo já não me dá margens para pensar num futuro, quero viver o presente, sem precisar-me sentir punido, culpado, arrependido, quero ser eu mesmo, o tempo todo, sem medo de ser feliz.

A verdade é que percebi que encheu o saco, não dá mais, parei de observar as coisas de diversos pontos de vista, não tem necessidade, agora resta apenas o meu ponto de vista, o que quero para mim, os meus desejos e esse momento não mais faz parte da minha historia. Agora tudo se acaba, fica somente o tempo entre nós.

 

Rapha.

Anúncios