O que é necessário para você se destacar no mercado de comunicação?


O Stuart Parkin, coach e recrutador de profissionais de comunicação, publicou recentemente na sua coluna no Advertising Age um texto bem interessante com os 10 pontos, que, na opinião dele, podem fazer a diferença na carreira de qualquer publicitário.

Ele comenta que, apesar de estarmos em um mercado que muda muito, há alguns pontos básicos que fazem com que um profissional seja contratado, promovido, admirado e bem sucedido. Mais do que habilidades técnicas, são habilidades emocionais. Ou seja, é algo que tem menos a ver com fazer cursos e mais com se desenvolver emocionalmente.

Para aprimorá-las, já dei algumas dicas aqui.

Os pontos são:

1. QE (quociente emocional)
A inteligência emocional é tão importante por uma infinidade de motivos, mas nenhum é mais relevante do que o fato de que a publicidade e o marketing têm a ver com pessoas. Essa habilidade é, em suma, a capacidade de ser empático, ‘ler’ as pessoas, e, mais do que isso, a capacidade de agir, com base nesse entendimento, de maneira significativa – algo essencial em uma agência.

2. Habilidades de organização
Apresentações eficazes possuem conteúdo e estilo. O visual certo e as palavras corretas, em conjunto, são a chave, seja em uma entrevista ou na apresentação de um projeto. Os papéis de gestão de projetos estão se tornando cada vez mais demandados com os negócios se focando, mais e mais, em projetos.

3. QA (quociente de adaptação)
O QI (quociente de inteligência) e QE (quociente emocional) são fatores críticos para o sucesso hoje, mas, ainda mais importante é o quociente de adaptação. O termo se refere ao modelo mental que abraça a mudança. Indivíduos que tem um alto QA se dão bem em ambientes de rápida mudança e ritmo acelerado. Ele pode utilizar essa habilidade que desenvolveu em um job ou em contextos totalmente diferentes. A adaptabilidade aparece em várias formas: vocacional, mental, geográfica, lingüística, financeira, de horário. Quanto mais dessas um indivíduo consegue ter, melhor são suas chances de trabalho. É simples. Fazer coisas que outros não querem ou são incapazes de fazer é a chave para ampliar as oportunidades e ir além dos papéis existentes. Mais significativo. O QA leva a um modelo mental que busca por resultados, seja qual forem as variáveis.

4. Mentalidade dirigida por ideias
Os melhores estrategistas têm um interesse, quase infantil, em enxergar as coisas de novas maneiras. Eles são sedentos por conhecimento e, certamente, viajam e lêem bastante, além de serem interessados em moda e aparelhos eletrônicos. Um empregado que consegue fazer a diferença é o que tem um interesse saudável não só pelo status quo, mas em fazer coisas melhores. Os que buscam por novas perspectivas serão bem-vindos pelas agências e clientes.

5. Mentalidade empreendedora
Ver as coisas em diferentes contextos é algo valorizado, e novas ideias são sempre bem-vindas, mas o que é crítico é traduzir as ideias comercialmente.

6. Personalidade
Ele conta que tem entrevistado centenas de pessoas, algumas para trabalhos em que pode parecer que a personalidade não é importante. A realidade, conta, é que, seja qual for a área (criação, financeiro, produção, estratégia, etc), aqueles com personalidade conseguem o melhor das pessoas com quem irão interagir, seja na agencia ou fora.

7. Habilidades de comunicação
Habilidade verbal e escrita é importante em um negócio que tem tudo a ver com mensagens, geralmente comunicadas via imagens ou palavras. Articular uma perspectiva, discutir um ponto de vista, vender uma ideia – tudo depende de habilidades de linguagem. Habilidades de linguagem para novas mídias são importantes, mas habilidades sociais e face-a-face são cruciais.

8. Persistência
A determinação, a capacidade de lidar com adversidades, e uma busca incansável pelo seu objetivo, geralmente são pontos que diferem os bem-sucedidos dos que ficam no meio do caminho, conta Parkin. Com persistência, fica mais fácil estar no local certo na hora certa, destaca.

9. Senso de missão
Um claro senso de missão é a energia capaz de mover indivíduos, equipes e empresas na mesma direção. Mesmo a pessoa menos apaixonada, não tão boa em se comunicar, e que desiste facilmente das coisas, pode se tornar apaixonada, comunicativa e persistente se há senso de missão.

10. Paixão
Se você realmente gosta de algo, essa paixão toca outras pessoas. O entusiasmo consegue diferenciar você de alguém tão qualificado porém menos empolgado. Você tem chances muito maiores de se dar bem quando faz ou precisa fazer o que gosta – seja o que for isso.

Rapha.

Posted via web from Rapha Dois Reais

Anúncios