Prazer, somos consumidores.


(artigo na revista Due)

 

Você consome? Se sua resposta foi sim, e com certeza será, você representa uma parcela do maior grupo existente, ou melhor, aglomerado de pessoas que ganham seu dinheiro para desfrutar dos prazeres da vida. Você é chato? (leia-se: correto, exigente, conhecedor dos seus direitos?). Pois é, assim como você, somos chatos e consumidores! Vamos fazer desta coluna, que vem com uma dose de sarcasmo e inteligência, características fáceis de identificar, nosso propósito de mudança, ou seja, não é complicar. E sim, melhorar.

Nós acreditamos que as empresas alagoanas precisam despertar para algo chamado: “Consumidor. Usuário. Cliente.” Ao contrário do que acreditamos, poucas empresas se importam com essa parcela considerável de poder de compra dita como imprescindível para obtenção de lucro.

O meio empresarial adora termos técnicos. É “target” disso, “stakeholders” daquilo. Bonito não é? Falar com firulas, “encher a boca” com palavras difíceis. O problema está quando o termo assume sentido amplo e já se perdeu o conceito inicial, ou seja, consumidor.  Na verdade é difícil de entender o que realmente estão querendo dizer com tantas palavras novas. Então, sem precisar inovar, que história é essa de consumidor?

Em linhas gerais, consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire algum produto ou serviço para seu consumo. Assim, a boa comunicação entre empresa e cliente é mais do que necessário, é fundamental. No ambiente corporativo, o consumidor é o fator único e essencial na hora de atingir metas e alcançar resultados, seja na venda de produtos, serviços ou, até mesmo, ideias.

No cenário atual, os profissionais de Marketing, raramente percebem a necessidade inerente da compreensão do usuário consumidor, ou seja, adquirem experiências diferentes, mas de pouca relevância para este fim. E, no final, nós consumidores como ficamos? A reposta mais do que certa é: NÃO FICAMOS. Somos esquecidos, abandonados, mal entendidos e ainda viramos chacota. É comum ver em bares e restaurantes o descaso para com clientes e consumidores, ávidos por um produto ou serviço de qualidade. É nesse universo insuficientemente conhecido e drasticamente pouco potencializado pelas empresas, que iremos usar como objetivo desta coluna. Em resumo, iremos analisar, comentar, dar dicas sobre como as empresas podem melhorar o relacionamento com seus clientes e garantir técnicas, práticas e experiências adquiridas para facilitar esta interação. Bem como, iremos visitar bares, restaurantes, boutiques, shoppings centers, cinemas, enfim. Compreender, chegar perto e estudar a dinâmica do mercado, afinal o importante é fomentar a qualidade do produto estimado e/ou esperado, é driblar a concorrência e garantir seu diferencial.

Por fim, explicar às empresas que o formato antigo de varejo, foi substituído em todas as escalas, e agora, nós (consumidores), ditamos as regras.

Para quem servirá esta coluna? Para o público-consumidor em geral, que terá aqui, espaço para comentar, relatar experiências, sugerir e interagir conosco. Para as empresas fornecedoras de produtos e serviços em Maceió, que poderão nos acompanhar, para ter gratuitamente, uma leitura e análise de suas empresas.

Anúncios