Longe é um lugar que não existe


 

Essa vontade que tenho de transporta-me no vento, nesse intervalo que separa dois pontos no espaço, dois momentos no tempo. De jogar-me na imensidão dos seus olhos claros, além do pensamento.

De voar nos enormes espaços existentes entre as estrelas, ou nas distâncias astronômicas, medidas pela velocidade da luz, para além desses planetas. Sim, eu te amo numa velocidade de 299.792km/s. Na exata compreensão que meu amor percorrer qualquer distância, numa fração da luz para escutar as batidas do seu coração. Os poetas dizem, por exemplo, que para esse tipo de amor não existem fronteiras, barreiras. É inexata a compreensão do poder que ele possui para quem ama, poço profundo dentre várias trincheiras.

Devido a esse amor, sinto em mim, mesmo longe de ti, o quente de sua respiração, o peso do seu corpo, o brilho do seu olhar e a tez de sua pele . Este sentir que nos une num intervalo de tempo tão curto, porém numa distância infinita e sempre e tão. Esta intensidade insana que nunca expliquei em mim, tão pouco para o meu corpo que almeja o seu contentamento.

Apesar da distância, angústia de viver, da imensidão do oceano que faz bordejar minhas lágrimas que correm entre a minha face tensionada pela falta, pela saudade, pelo desamor maldito que nos separa. É forte este meu querer, esta ânsia. Que chega aos pouco e vem de mansinho, soprando devagarzinho, onde cresce a todo instante.

É o elixir que me alimenta, que me faz sonhar, bravejar, gritar para todos, a luta diária de diminuir essa distância infinita. Que machuca a minha alma e destrói meu ser.

Longe é um lugar que não existe, nunca para o meu amor. Nunca para quem, assim como eu, ama e entende que a distância não existe fora dos limites de uma dor.