A Peneira e o Tempo


polaroidbrevidades100_2801

Sofro por antecipação de amores que só existiram em minha imaginação. Sorrio descaradamente da falta de graça, e em prantos me encontro, ao deparar-me com a piada mais cômica do mundo.

Desprendo-me de qualquer vínculo material: que a vida passa; que nós passamos; que nada fica; que nós não ficamos.

Grito em brandos pulmões, baixinho, para que não acorde ao vizinho:

“QUE QUEIME DE AMOR! QUE SE AFOGUE DE VIVER!”

E completo, me queixando ao frio da noite os desprazeres de uma vida:

“Que pelo menos serei o morto mais cheio de vida que esse mundo já viu!”

Mas ninguém ouve. Melhor. Assim não divido a graça e o prazer que é viver minha vida com ninguém.

Senior Tágore Cavalcante